Leite materno x leite de fórmula: qual é o melhor para seu bebê

Em vários aspectos a fórmula é similar ao leite materno, porém, a diferença principal será de extrema importância para o desenvolvimento de seu filho

Duas imagens sendo comparadas. Na primeira, está um bebê mamando no peito da mãe. Na segunda um bebê está tomando leite na mamadeira
Ellen Cristie
Ellen Cristie14, Abril - 20215.6 minutos de leitura

Saber em que momento introduzir o leite de fórmula na alimentação do bebê é um dos grandes dilemas da mãe que está amamentando. Mais que agir no momento certo, é importante saber diferenciar a composição de cada um deles. Mas a grande dúvida é qual é o melhor leite para o bebê?

Ao contrário do que muita gente pensa, em vários aspectos a fórmula é similar ao leite materno. Os dois hidratam, fornecem energia e têm nutrientes na sua composição, o que contribui para o desenvolvimento normal do bebê. 

No entanto, o leite produzido pela mulher desenvolve o cérebro, o sistema digestório e o imunológico. E o leite de fórmula, para chegar a ser um produto infantil, precisa ser processado, já que contém substâncias muito próximas a níveis tóxicos para o bebê, como um alto teor de sódio (sal). 

Quais são as maiores diferenças entre o leite materno e a fórmula?

Leite materno

O leite materno passa por três fases: colostro (primeiro leite após o nascimento do bebê), leite de transição (contém gorduras e carboidratos) e leite maduro (contém proteínas, gorduras, vitaminas, minerais e carboidratos). Em todas as fases, o leite materno é composto por: 

  • Hormônios: regulam o apetite 
  • Anticorpos: protegem contra doenças
  • Células-tronco: atuam no desenvolvimento e reparação de órgãos
  • Prebióticos: ajudam a manter o intestino saudável
  • Glóbulos brancos: combatem infecções
  • Bactérias do bem: protegem o sistema digestório
  • Hormônios do sono: contribuem para um sono de qualidade
  • Enzimas: ajudam nos sistemas digestório e imunológico
  • Ácidos graxos: ajudam a desenvolver o cérebro, o sistema nervoso e os olhos do bebê

Vantagens do leite materno

  • A amamentação pesa menos no bolso. 
  • Ajuda mãe e filho a dormir mais rápido
  • Economiza tempo para lavar, esterilizar, ferver água e preparar as mamadeiras
  • O leite materno tem “sabor” (alimentos que a mãe consome)
  • Existem mais de 1.000 proteínas no leite materno.

Leite de fórmula

Geralmente produzido a partir do leite de vaca desnatado, o leite de fórmula é processado e tem em sua concentração emulsificantes e estabilizantes para ajudar na mistura de óleos e água no momento do preparo. Ele é composto de:

  • Lactose: açúcar natural encontrado no leite e açúcares como frutose, maltodextrina e xarope de milho
  • Vitaminas e minerais: origem animal e vegetal
  • Óleos à base de plantas: palma, girassol, soja, canola, coco
  • Ácidos graxos: derivados de óleo de peixe
  • Enzimas e aminoácidos  
  • Probióticos (algumas fórmulas) 

Qual leite oferece mais proteção ao bebê?

Embora tenham componentes que se assemelham, por outro lado se diferem quanto aos princípios funcionais. O leite materno não é simplesmente um alimento. Ele tem uma função protetora significativa porque reduz a possibilidade de que o bebê tenha diarreia, resfriado, gripe, gastroenterite, candidíase e infecção de ouvido. 

Além disso, ele diminui para a metade o risco de o bebê ter uma síndrome de morte súbita infantil. Especialistas em amamentação relacionam o leite materno ao melhor comportamento, visão e alinhamento dos dentes. E reforçam a ideia de que mamar no peito reduz o risco de o bebê ficar obeso, de desenvolver um quadro de diabetes (1 e 2) e alguns tipos de câncer. 

Em termos de benefício para as mães, a amamentação ajuda na redução de peso após o parto, já que há uma perda de até 500 calorias por dia. Amamentar também diminui o risco de desenvolver câncer de mama, no útero e no ovário, doença cardíaca e diabetes tipo 2. 

Uma outra vantagem do consumo do leite materno é que ele acaba fazendo um bem ao planeta. Como não envolve agricultura intensiva, emissões de gases por fábricas, transporte e embalagem, o meio ambiente agradece. 

Combinação de leite materno e fórmula

A Organização Mundial de Saúde recomenda que até os seis meses de vida, o bebê receba leite materno exclusivo. Posteriormente, podem ser combinadas mamadas com leite materno e com fórmula.

É um mito dizer que a produção de leite cai, caso a mãe opte por começar a dar mamadeira. Se o bebê consome o leite materno regularmente, a produção de leite materno se adapta às necessidades do bebê. 

Mas, no entanto, não é recomendável misturar as duas opções em uma mesma mamadeira. É que, caso sobre, você estará desperdiçando o leite materno. 

Independentemente de como alimentamos nossos filhos, é verdade que a amamentação aumenta o vínculo, mas, por outro lado, alimentá-los com fórmula também é uma demonstração de amor e de carinho, como qualquer outra. Pense nisso!